Conespi recebe candidatos ao Senado e a deputados e pede revogação da reforma trabalhista e a defesa dos trabalhadores

O encontro com os candidatos aconteceu na sede do Sindicato dos Municipais e foi coordenado pelo presidente do Conespi, Wagner da Silveira, o JucaO Conselho das Entidades Sindicais de Piracicaba (Conespi), entidade que representa mais de 200 mil trabalhadores da ativa e aposentados de Piracicaba e região, recebeu nesta manhã de terça-feira, 18 de setembro, Antonio Neto, candidato ao Senado Federal pelo PDT, e os candidatos a deputado federal José Luiz Ribeiro (Solidariedade) e Roberto Morais (PPS), que procuraram a entidade para falarem de suas propostas de trabalho. O encontro aconteceu na sede do Sindicato dos Trabalhadores Municipais de Piracicaba e foi marcado pela entrega de uma pauta de reivindicações aos candidatos, com foco na “revogação da reforma trabalhista”, que está em vigor desde 11 de novembro do ano passado, e pelo compromisso dos candidatos com a luta dos trabalhadores, entre elas a reforma da Previdência Social, que tem sido defendida pela maioria dos candidatos à presidência da República, e pela renovação da política de valorização do salário mínimo.

O presidente do Conespi, Wagner da Silveira, o Juca, destaca que tradicionalmente a entidade abre espaços para os candidatos, principalmente os ligados ao mundo do trabalho, que procuram os seus dirigentes para falarem de sua plataforma de trabalho. “É um espaço que abrimos para que possam falar do que pretendem fazer se eleitos, seja pela nossa região, pelo nosso Estado e principalmente pelo nosso país, mas com foco nos trabalhadores. O Conespi considera as eleições livres e democráticas em 2018 primordiais para a construção de compromissos com a futura agenda de desenvolvimento do País, para a qual o mundo do trabalho deve ter centralidade estratégica. Milhares de cidadãos de Piracicaba e Região esperam e confiam que nossas instituições sejam capazes de, politicamente, construir entendimentos para a retomada do crescimento econômico e do desenvolvimento social”, ressalta.

No encontro, do qual a mesa foi composta ainda pelo presidente do Sindicato dos Trabalhadores Municipais, Valdir Sgrigneiro, e pelos vices-presidentes do Conespi, José Antonio Fernandes Paiva e Milton Costa, e pelo presidente da Câmara de Vereadores, Matheus Erler (PTB), o deputado estadual Roberto Morais falou do seu trabalho pela região, enquanto José Luiz Ribeiro destacou sua ação na vida pública e no movimento sindical, com quase 40 anos de atuação, sempre com foco na defesa dos trabalhadores e do emprego. Antonio Neto destacou que a reforma trabalhista vai atingir a todos os trabalhadores e não vai recuperar ou gerar empregos, penalizando os 14 milhões de desempregados e os mais de 36 milhões que estão na informalidade.

No documento entregue aos candidatos, o Conespi destaca que o “ Brasil retrocedeu mais de 40 anos em dois no governo de Michel Temer. Vemos absurdos como o fato de que 50% de tudo que o governo paga destina-se aos bancos que sequer pagam IR sobre seus exorbitantes lucros, assim como nada se taxa das grandes fortunas. Atacaram e rasgaram as proteções ao trabalho por meio da reforma trabalhista, que conseguiu abalar seriamente a estrutura dos sindicatos, que são as únicas organizações que poderiam opor resistência à transferência de renda dos mais pobres para os mais ricos”, diz trecho do documento.

Diante disso, o Conespi exige dos candidatos o compromisso com a revogação das leis e medidas que ferem o povo brasileiro e os trabalhadores. “Nas eleições deste ano, as forças democráticas do país enfrentam sua mais dura batalha diante da retirada direitos da classe trabalhadora, e imposição de um dramático corte nos gastos públicos com a Emenda Constitucional 95 e lançaram milhões de brasileiros no desemprego e na miséria. Os trabalhadores criaram o sindicalismo para serem protagonistas do próprio futuro. Nossa luta, no Brasil e neste momento histórico, é recolocar o País na trajetória do desenvolvimento, com geração de emprego de qualidade, crescimento dos salários, combate à informalidade, à precarização, à insegurança no trabalho e promover a proteção social e trabalhista para todos”, destacou Paiva.

No documento, o Conespi pede a revogação da reforma trabalhista, assim como seja estacando os perigos do modelo atualmente proposto para uma Reforma da Previdência. Também é pleiteada a democratização do sistema de relações de trabalho, fundado na autonomia Sindical, visando incentivar as negociações coletivas, promover solução ágil dos conflitos, garantir os direitos trabalhistas, o direito à greve e coibir as práticas antissindicais; favorecendo a reestruturação da organização sindical para ampliar a representatividade e a organização em todos os níveis, estimulando a cooperação sindical entre os trabalhadores, inclusive com o financiamento solidário democraticamente definido em assembleia.

Ao todo, o documento contém 20 pontos, entre eles a manutenção dos bancos públicos dando continuidade no processo de valorização e mantendo Banco do Brasil e Caixa Econômica Federal como empresas públicas fundamentais para o desenvolvimento do país; a revogação da Emenda Constitucional 95, que é a PEC que congelou os investimentos públicos em saúde/ educação / segurança/ ciência e tecnologia/ habitação / infraestrutura/ saneamento básico por 20 ANOS, assim como a fomentação da indústria brasileira com recursos do BNDES, exigindo como contrapartida a geração de empregos e a valorização do trabalho. Resgatar, fortalecer e democratizar o Estado e os serviços públicos com justiça tributária e manutenção das empresas estatais (Petrobras, Eletrobrás, entre outras) e regular o sistema financeiro como instrumento para a promoção do desenvolvimento estão entre os pedidos.

Vanderlei Zampaulo – MTb-20.124